Forte renovado para servir população

Forte de Albarquel

O renovado Forte de Albarquel, que ganha vida como sala de visitas da cidade e centro cultural e educativo, foi inaugurado no dia 10 de julho numa cerimónia que contou com a presença da filantropa britânica Helen Hamlyn.


O antigo equipamento militar, cedido pelo Ministério da Defesa à Câmara Municipal de Setúbal, em janeiro de 2015, por um período de 32 anos, foi alvo de obras de requalificação, num investimento superior a 1,6 milhões de euros, com encargos repartidos entre o The Helen Hamlyn Trust, com uma comparticipação de um milhão de euros, e a autarquia, com 600 mil euros, no âmbito de um memorando de entendimento firmado em 2016.

Para a presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, a recuperação do imóvel, que “foi desprezado, esquecido e abandonado durante décadas”, é um momento histórico para a cidade.

“Foi-lhe, durante muitos e muitos anos, negada uma solução. A solução que, por muita insistência e, acima de tudo, vontade da Câmara Municipal a que presido, foi possível encontrar em 2015. Foi necessária paciência, persistência, resiliência e, reconheça-se, vontade política para resolver este problema.”

As obras de reabilitação, iniciadas em 2018, dotaram o monumento de “novas capacidades e novos atrativos capazes de se transformarem, também, em promotores do desenvolvimento turístico”, sublinhou a autarca.

A antiga fortaleza militar, construída no século XVII, na Praia de Albarquel, é uma nova sala de visitas da cidade e um espaço cultural e educativo, com valências expositivas e condições para acolher diversas manifestações artísticas, num programa com início já este mês.

A componente de índole museológica e expositiva envolve a instalação de um núcleo destinado à fruição cultural e histórica, dirigida aos cidadãos em geral, mas sobretudo aos alunos dos diversos níveis de ensino, que abriu com uma mostra documental e fotográfica sobre a história do imóvel.

Uma segunda valência, para atividades culturais, prevê eventos como pequenos concertos de música de câmara, recitais de poesia, apontamentos teatrais, apresentação de obras literárias, debates, conferências e workshops.

A terceira componente, vocacionada para a receção e acolhimento, visa capitalizar o enquadramento paisagístico do Forte de Albarquel, localizado no Parque Natural da Arrábida, utilizando o edifício para receções a corpos diplomáticos, delegações estrangeiras, investidores e empresas.

Além de um pátio com vista sobre o rio e a serra, no interior, no piso térreo, há um salão amplo que resulta da demolição de alguns compartimentos e foi criada uma cozinha de apoio ao serviço de catering para as receções.

O primeiro piso é destinado ao apoio administrativo e a antiga garagem dos veículos militares foi reconvertida para sala de reuniões, além de que foram acrescentados dois compartimentos de apoio para instalação sanitária e arrumos.

A reabilitação do Forte de Albarquel contemplou, igualmente, a instalação de iluminação cénica que realça os contornos da antiga fortaleza militar.

Todos os trabalhos realizados, incluindo a instalação de portas e janelas e a aquisição de mobiliário, tiveram em conta o respeito pelo estilo e a época do edifício.

Maria das Dores Meira acentuou que “a entrega deste monumento a Setúbal, tornando-o património de todos”, é mais um exemplo da estratégia municipal de modernização e qualificação do concelho com opções que fazem “mais cidade, mais Setúbal”.

A autarca apontou como exemplos desta estratégia os projetos de requalificação do Quartel do 11, adquirido pela Câmara Municipal ao Estado para a instalação da Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal e de uma galeria de artes, e do Convento de Jesus, em que o município assumiu a responsabilidade que competia ao Estado de recuperar o monumento e devolvê-lo à fruição do público.

“Eis-nos, em 2021, com o mais importante património edificado que possuímos no concelho praticamente todo recuperado, depois de anos e anos de inoperâncias várias, entre as quais a da própria autarquia, que, em administrações anteriores, permitiu a degradação deste património coletivo.”

A presidente da Câmara Municipal vincou, igualmente, que a nível cultural, “em pouco mais de 15 anos, Setúbal deixou de ser uma cidade carenciada de equipamentos para passar a ser uma urbe dotada de espaços altamente qualificados e que oferecem uma programação cultural de enorme riqueza e diversidade”.

Além do renovado Forte de Albarquel, que será mais um importante polo de dinamização cultural do concelho, Maria das Dores Meira referiu o Fórum Municipal Luisa Todi, a Casa da Cultura e a Casa do Corpo Santo, bem como as intervenções de beneficiação no Museu do Trabalho Michel Giacometti e a Galeria Municipal do 11.

Os investimentos nas bacias de retenção da Várzea, na requalificação da zona ribeirinha e da rede viária do concelho, o futuro Interface de Transportes de Setúbal e a aposta na criação de condições para o desenvolvimento turístico são outros exemplos que resultam “da mesma vontade transformadora que tirou Setúbal do cinzentismo que todos evitavam e colocou a cidade e o concelho como uma das grandes referências nacionais em várias matérias”.

Todas as orientações nas quais se basearam o projeto de requalificação do Forte de Albarquel, com exceção da construção do parque de estacionamento que ficou a cargo da autarquia, foram feitas por Lady Helen Hamlyn, filantropa britânica que, através do The Helen Hamlyn Trust, canalizou cerca de um milhão de euros para este investimento.

“Sem o seu apoio teria sido muito difícil chegarmos aqui e, por isso, hoje é toda a cidade que lhe está grata e lhe presta sentida e justa homenagem. O apoio que nos deu foi para lá do mero apoio financeiro. Agradecemos o apoio técnico, mas também o suporte moral e intelectual que sempre nos deu com enorme prazer e generosidade”, sublinhou Maria das Dores Meira.

Helen Hamlyn confessou sentir-se “muito feliz” pela “abertura deste histórico forte num local verdadeiramente deslumbrante”.

A filantropa britânica salientou a “admirável tenacidade” da presidente da Câmara Municipal de Setúbal na tarefa de convencer o Ministério da Defesa a ceder o imóvel à autarquia, o que viria a acontecer em 2015.

“Estou muito contente por ter ajudado a restaurar este forte para Setúbal, cidade que conheci há 12 anos, por intermédio do meu amigo Hugo O’Neill, e pela qual me apaixonei. Congratulo-me pela utilização para fins culturais e educativos e aguardo com muita expectativa o início de um programa de atividades que sei que é muito bom para que todos possam usufruir deste espaço.”

Além do descerramento da placa comemorativa da inauguração do renovado Forte de Albarquel, a cerimónia, que contou com as presenças de membros do Executivo municipal, do presidente da Assembleia Municipal, André Martins, dos presidentes das juntas de freguesia, de Duarte Pio de Bragança, incluiu ainda um apontamento musical pelo Ensemble Juvenil de Setúbal.

FONTE: Município de Setúbal

X